tradução ausente: en.general.general.skip_content

Seu carrinho

Fechar carrinho

Substituindo a Programação; Superando a nós mesmos

Dr. Joe Dispenza / 11 de março de 2022

Overriding Programming; Overcoming Ourselves

Muitos de vocês perguntaram sobre um experimento que compartilhei com vocês durante nosso Retiro Avançado Week Long em Marco Island na Flórida, há alguns meses.

Para recapitular brevemente, nossa equipe de pesquisadores queria avançar nossos estudos em andamento sobre a capacidade dos meditadores de influenciar o resultado de eventos aleatórios – combinando uma intenção clara com uma emoção elevada; sendo ambas funções de coerência cerebral e cardíaca respectivamente.

Até Marco Island, usávamos geradores mecânicos de eventos aleatórios, ou REGs, para conduzir esses experimentos – e nossos resultados iniciais indicaram que podemos alterar os resultados em nosso mundo 3-D, tornando esses eventos menos aleatórios e mais intencionais.

Na Flórida, evoluímos o estudo, passando de um modelo mecanicista – aqueles REGs – para um modelo biológico – bactérias clonadas cujos plasmídeos foram programados para produzir uma proteína fluorescente verde ou vermelha. Assim como um “lançamento de moeda / cara ou coroa ” virtual gerado pelo REG mecânico, há uma chance de 50% de os plasmídeos produzirem qualquer cor – verde ou vermelho.

Sem avisar aos participantes do retiro de Marco Island, colocamos as bactérias clonadas na sala enquanto os ensinamentos, meditações e sessões de Coherence Healing™ aconteciam ao longo da semana. E, como esperado, os plasmídeos – sem qualquer interferência energética ou de outra natureza – produziram vermelho e verde na mesma medida, resultando em amostras com uma espécie de cor marrom-rosada mesclada.

Mas no último dia do retiro, contei aos membros da comunidade presentes sobre o experimento. Tínhamos visto, em estudos anteriores, o que aconteceu quando focamos nossas energias nos REGs mecânicos e programados – como os meditadores podem influenciar o resultado de um evento aparentemente aleatório. Agora, com essas amostras de bactérias vivas na sala, queríamos descobrir se poderíamos gerar resultados semelhantes – desta vez, com um modelo biológico.

É simples, eu disse aos nossos participantes. Com intenção clara e emoção elevada, quero que vocês sintonizem nos plasmídeos dessas bactérias. E eu quero que vocês concentrem sua energia altamente ordenada e coerente neste resultado: verde.

Em outras palavras, ao final do evento, pedi à comunidade de cerca de 1,500 pessoas que movimentassem suas consciências – com cérebros e corações coerentes – para além do espaço e tempo e se conectar ao campo quântico. Uma vez que o campo unificado é o que cria a matéria, e todas as coisas estão conectadas pelo pensamento neste reino, poderiam elas se apaixonar pela cor verde – e coletivamente mudar o campo … e mudar a matéria?

Agora, semanas depois daquela poderosa meditação, fizemos algumas descobertas.

 

O que os dados estão nos dizendo

Uma coisa que poderíamos supor – antes mesmo de ler os resultados – era: com um experimento dessa natureza, o efeito placebo poderia ser imediatamente descartado. Quando estamos experimentando com nossa própria espécie, a influência do condicionamento, expectativa e intenção estão sempre presentes. Nossa tendência a sermos influenciados por nossas memórias do passado e nossa antecipação do futuro – através da mente e do corpo – afetará os resultados de alguma forma.

Mas com bactérias – com meras células – não há mente subjetiva. Não há ninguém. Assim, se os dados mostrarem uma mudança em sua expressão gênica – se o resultado aleatório, 50-50, vermelho-verde se tornar menos aleatório – sabemos que os resultados estão livres da influência do efeito placebo.

Por isso, após o experimento em Marco Island, foi emocionante ler a primeira frase de um e-mail do Dr. Peter Melcher, professor de biologia do Ithaca College – o pesquisador que programou a bactéria e nos abordou sobre esse experimento. "A equipe científica tem evidências preliminares para sugerir que a intenção é capaz de impactar um sistema de eventos aleatórios vivo”, disse.

Dr. Melcher continuou: “Os resultados preliminares mostram que ao longo da semana em Marco Island, as bactérias eram em grande parte marrom/rosa; no entanto, algumas horas após a intenção no último dia, houve uma mudança dramática no aumento da cor VERDE.”

Depois de executar mais algumas amostras, ele acrescentou: “O resultado é muito claro, o experimento chamado intenção verde liderado pelo Dr. Joe resultou em mais proteína verde fluorescente na sala de meditação.” E concluiu com esta declaração: “A intenção humana alterou a expressão gênica em outra espécie”.

Leia isso de novo. “A intenção humana alterou a expressão gênica em outra espécie.”

Esta é a principal razão pela qual queríamos evoluir o experimento de um modelo mecanicista para um modelo biológico. Como eu disse antes: se pudermos ver que existe influência externa em um evento que de outra forma seria considerado aleatório, e fazendo isso de uma forma não local, isso cria um modelo muito mais próximo de nossa própria biologia. Então, se podemos influenciar a genética de outra espécie – podemos, com a mesma fórmula, ser curandeiros genéticos em nossa própria espécie?

As primeiras indicações sugerem que sim, podemos. E para aqueles de nós que estão neste trabalho há muito tempo, isso não é uma surpresa – seria mais como uma confirmação do que já estamos vivenciando neste trabalho. Já temos evidências – na forma de milhares de depoimentos de outras pessoas e de nós mesmos. Isso pode explicar por que um número incontável de pessoas que receberam sessões remotas – assim como presenciais – de Coherence Healing relataram mudanças significativas em sua saúde.

O que torna este experimento – e tantos outros que estamos realizando – importante é: agora, não somos apenas nós que estamos dizendo que é verdade. Os dados estão dizendo isso.

E os dados estão nos ajudando a moldar e refinar nossos estudos – para que nossos experimentos continuem a evoluir. No próximo Retiro Avançado Week Long em San Diego, no próximo mês, realizaremos um experimento semelhante ao de Marco Island – mas neste caso, poderemos medir os resultados em tempo real. Isso significa que devemos ser capazes de ajustar o impacto sobre os plasmídeos no momento exato em que nossos participantes sintonizam com eles durante a meditação.

Também estaremos aprofundando nossos estudos sobre emaranhamento quântico – o conceito de que, uma vez que duas partículas estejam ligadas, elas sempre estarão ligadas além do espaço e do tempo. E assim: tudo o que for feito a um será feito ao outro – mesmo que estejam espacialmente separados. Como as bactérias com as quais estamos trabalhando – aquelas com os plasmídeos programados – foram todas clonadas da mesma bactéria, elas são, em essência, partículas ligadas.

Nossa próxima fronteira é estudar gêmeos e observar – por meio de medições quantitativas, em tempo real, de eletroencefalograma e de variabilidade da frequência cardíaca – como a mente e as emoções de um gêmeo podem estar afetando as do outro.

Através dos experimentos que conduzimos até agora, já temos algumas descobertas iniciais sugerindo emaranhamento energético; esperamos descobrir mais em San Diego. Fique ligado.

 

Cocriação na Comunidade

Um conceito fundamental no coração desses experimentos é o seguinte: a realidade é determinada por redes coletivas de observadores (que é você, eu e todos os outros em nossa comunidade). E, como demonstramos em eventos anteriores, não se trata do maior número de observadores – ou da intensidade da emoção gerada por eles. É sobre a coerência do cérebro e do coração – a ordem da energia deles.

Quando nossos participantes do evento sintonizaram os plasmídeos dessas bactérias, eu nunca tinha visto tantas pessoas se apaixonarem tão profundamente pela cor verde. A coerência na sala era palpável. Todos estavam tão presentes; tão conectados. Muitos tinham lágrimas nos olhos. E aqui está o porquê: para elas, não se tratava de plasmídeos vermelhos ou verdes. Tratava-se de criar coletivamente um novo futuro.

Os plasmídeos bacterianos foram programados para produzir uma cor: vermelho ou verde. Com hipercoerência, nossa comunidade – como rede coletiva de observadores – influenciou no resultado: verde. Eles anularam a programação. Eles co-criaram um novo resultado no mundo 3-D.

Pense no que isso significa para todos nós enquanto continuamos neste trabalho. Quanto temos we sido programados – através do condicionamento; por meio de rotinas e hábitos; através da mídia; através do pensamento e da ação inconscientes? E como podemos substituir essa programação – e superar a nós mesmos?

Se podemos, por meio de intenção clara e emoção elevada, influenciar remotamente o resultado de um evento aleatório em outra espécie – como nossas pesquisas mostram que é possível – o que mais podemos influenciar coletivamente? O que podemos reparar? O que podemos curar? O que podemos construir?

Como podemos, como comunidade, co-criar melhores resultados para o mundo – juntos?

Nós acreditamos em

possibilidade

o poder de mudar a nós mesmos

a capacidade do corpo de curar

o incomum

celebrando a vida

milagres

um amor superior

futuro

atitude

evidência

um ao outro

o invisível

sabedoria

nossos filhos

sincronicidades

liberdade

nossos anciãos

mente sobre a matéria

Você acredita? Junte-se ao movimento

* Ao preencher este formulário, você se inscreve para receber nossos e-mails e pode cancelar a inscrição a qualquer momento