tradução ausente: en.general.general.skip_content

Seu carrinho

Fechar carrinho

Praticando de Olhos Abertos

Dr. Joe Dispenza / 27 de agosto de 2021

Practicing With Open Eyes

Em algum momento, todos nós pensamos: o processo de mudança não está funcionando para mim; está demorando muito; eu não fui feito para a meditação; ou estou fazendo algo errado. Muitos de nós pensam em abandonar a prática e alguns pensam que já falharam. Podemos não dizer isso em voz alta porque ainda estamos tentando manter a aparência de que estamos criando um novo eu, mas às vezes nos sentimos pior do que nunca. Nesse ínterim, o antigo eu sempre fica feliz em retornar. Embora seja necessária uma enorme quantidade de energia e consciência para permanecer consciente de nossos pensamentos, comportamentos e emoções inconscientes, também é necessária uma grande quantidade de autocompaixão enquanto esperamos que nosso futuro se manifeste.

Costumo falar sobre as experiências e características comuns de pessoas que conseguem se transformar, mas há outra experiência com a qual cada um de nós pode se identificar e que raramente discutimos. Todos nós já experimentamos a longa e frustrante defasagem entre causa e efeito, entre o pensamento de querer algo e a experiência de tê-lo. Podemos expressar isso como o espaço e, portanto, o tempo, entre a separação de um ponto de consciência (o pensamento de querer algo) e outro (a experiência de tê-lo).

Quando estamos no meio do rio da mudança, às vezes nos sentimos melhor quando recorremos aos nossos sentidos para provar a nós mesmos que a mudança não ocorreu. Olhamos ao redor, em nosso ambiente mais que familiar para ver se alguma coisa se transformou, mas nossos sentidos não conseguem perceber nenhuma diferença. O fato de nossos sentidos não perceberem uma mudança em nossa realidade nos faz sentir essa falta ainda mais agudamente, e deixamos que os velhos sentimentos de impaciência, frustração, ressentimento e fracasso retornem ainda mais fortes.

Porém, lembre-se de que você está aprendendo uma habilidade que requer muito tempo e prática. Músicos e atletas gastam mais de 10,000 horas para desenvolver suas habilidades. E você neste caso está aprendendo a dominar-se a si mesmo. Você está aprendendo a praticar o jogo da vida com os olhos abertos, e é preciso diligência para estar consciente de todos os pensamentos e ações que são impulsionados por esses estados emocionais.

Se você normalmente sai da cama perto do meio-dia, mas quer começar a acordar às 6h, vai se sentir muito desconfortável por um bom tempo enquanto seu corpo se ajusta a um novo ritmo circadiano. Você pensa, E daí? A alternativa é não mudar. No entanto, na manhã seguinte, você olha com seus sentidos para sua mesma vida através das lentes do mesmo corpo e seus estados emocionais familiares, esperando não sentir o mesmo. Porém consequentemente, seus sentidos ainda estão adormecidos - e depois de fazer isso por “um bom tempo”, você não experimenta nenhuma mudança. Acordar cedo parece mais impossível do que antes, porque seu corpo parece literalmente preso no passado todas as manhãs. Tudo o que o seu corpo deseja é o estado químico familiar associado ao sono, pois foi condicionado para ser a mente.

Essa é a armadilha para a maioria das pessoas. Quando voltamos aos nossos sentidos depois da meditação, literalmente voltamos aos nossos sentidos. Quando não vemos um resultado imediato em nosso ambiente, as emoções de falta e separação voltam a surgir. Então, caímos na crença de que isso não se manifestou.

Quando nosso ambiente não corresponde ao que criamos em nossa meditação, estamos experimentando esse atraso - aquele longo período entre causa e efeito, entre o pensamento e a experiência, entre um ponto de consciência (eu quero isso) e o outro ponto de consciência (eu manifestei aquilo que queria). Quando experimentamos esse atraso, e esse intervalo é longo, a maioria quer desistir de tornar-se o novo eu.

Uma vez que hoje em dia com a alta tecnologia nos acostumados a ser atendidos imediatamente, na maioria das vezes, o intervalo entre o pensamento do que nós queremos e o o vivenciar esta experiência foi reduzido. Como resultado, subconscientemente nos sentimos no direito de ter o que queremos sem esperar muito. Mas não é assim que a criação de mudanças acontece fora do mundo tridimensional. Isso acontece quando pagamos a alguém por seu tempo e energia para fazer algo por nós. Então, quando estamos apenas aprendendo como funciona o processo da criação, às vezes esse atraso sinaliza frustração e impaciência, e é quando voltamos à matéria, tentando mudar a matéria: empurrando, controlando, competindo, lutando, forçando, desejando, esperando, prevendo ou o que quer que seja que pensemos que nos levará ao resultado mais rápido - e geralmente isso envolve tentar fazer mais em menos tempo.

Imagine que você deseja se tornar uma pessoa mais gentil e compreensiva. Depois de meditar, você entra no carro e vai para o trabalho. Quando você entra na rodovia, outro motorista o interrompe e você acaba se envolvendo em uma suave batida / acidente com o carro atrás de você. Sem parar para se recompor, você imediatamente sente raiva e coloca a culpa - não apenas no motorista que te cortou no trânsito, mas também na pessoa atrás de você por segui-lo muito de perto. Por fim, você poupa alguma auto frustração e auto culpa por estar no lugar errado na hora errada. O que aconteceu com toda aquela bondade e compreensão? Você se lembra de sua meditação matinal e gostaria de ter agido de maneira diferente. Você diz a si mesmo eu devo estar fazendo algo errado.

Uma vez que decidimos que não estamos fazendo certo ou que falhamos na meditação, há ainda mais julgamento e impaciência por causa da separação e da falta que sentimos por não estarmos sendo nosso novo eu em nossa nova vida. Queremos que isso aconteça mais cedo e ficamos presos na urgência de tentar chegar a um resultado. E quando nossos sentidos confirmam que nada mudou apesar de todo o nosso trabalho árduo, respondemos com ainda mais reatividade emocional. Pensamentos como eu falhei, não estou fazendo direito or ou tem algo errado comigo são exatamente o que nos leva de volta à velha personalidade da qual estamos tentando escapar. Quando procuramos alguém para culpar, voltamos ao antigo eu - afinal, o novo eu não tem interesse em culpar. Até que nos lembremos de que somos o novo eu em vez do antigo, não podemos mudar. O fato é que nada pode mudar em nossa vida até que mudemos.

Imagine que você está visualizando um novo relacionamento com alguém e combinando essa intenção com as emoções elevadas de amor e alegria. Você abre seu coração e sente esses sentimentos todas as manhãs. Mas aí você continua seu dia e não vê aquela pessoa aparecer na sua vida. É aqui que você deve parar e contemplar. Por que você está procurando essa pessoa em primeiro lugar? Se você esta procurando por essa pessoa significa que você voltou ao velho eu carente. Se você esta sendo o novo você, você já está sentindo o amor desse novo relacionamento com essa pessoa antes que ela se manifeste, então não há nada a procurar porque você não está se sentindo separado da experiência.

Quando você está carente, a lente através da qual você está olhando para a realidade ainda é um programa condicionado e inconsciente que diz: Onde ela está? Se você está procurando por algo, está separado dessa coisa porque não está sentindo as emoções associadas a isso. Se você estivesse sentindo as emoções do amor, não estaria procurando por isso - em vez disso, você sentiria como se já tivesse acontecido.

O que fazer para evitar que os programas inconscientes continuem a ditar nossas vidas despertas quando abrimos nossos olhos depois da meditação ? Você já sabe disso. O primeiro passo é tomar consciência e ficar consciente com os olhos abertos. Consciência é percepção, percepção é prestar atenção e prestar atenção é perceber. A parte complicada é se podemos prestar atenção sem julgar. Você consegue se tornar hábil em observar sem vincular emoções carregadas ao que vê, e pode perceber que ficou inconsciente sem se julgar?

Estou tentando ensinar às pessoas como mudar voluntariamente seu estado de ser . É simplesmente nos pegar no ato de esquecer e nos lembrar. A questão não é se você está “fazendo certo” você está. A questão é: quantas vezes você tem que esquecer até parar de esquecer e começar a se lembrar? Em outras palavras, quantas vezes você precisa ficar inconsciente antes de permanecer consciente? É assim que nos dominamos e evoluímos no jogo da vida.

Portanto, como minha mãe sempre me dizia, amanhã é outro dia….

Nós acreditamos em

possibilidade

o poder de mudar a nós mesmos

a capacidade do corpo de curar

o incomum

celebrando a vida

milagres

um amor superior

futuro

atitude

evidência

um ao outro

o invisível

sabedoria

nossos filhos

sincronicidades

liberdade

nossos anciãos

mente sobre a matéria

Você acredita? Junte-se ao movimento

* Ao preencher este formulário, você se inscreve para receber nossos e-mails e pode cancelar a inscrição a qualquer momento